Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, AGUAI, Homem, de 36 a 45 anos, Portuguese, Afrikaans, Arte e cultura, Política
MSN - perinaflavio@hotmail.com



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Poetando com Poetas...
 Qualquer Assunto...
 Comunidade do Blog
 Escrevinhadores
 Tribuna Livre-Aguaí-SP
 Poemas, Poesias e Elegias
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Poetando...


Neste lugar:

Tem povo humilde

Tem viola

Tem o sol nascendo lindo

Tem trabalho sol a sol

Tem sorriso de matuto

Tem criança rindo junto

Tem passarinho voando

Tem a rede, sombra fresca

Tem vara, peixe pra pescar

Tem cheiro de mato

Tem Maria, tem Joana

Tem cachaça de cana

Tem paz, tem alegria...

Neste meu lugar.



Escrito por Flávio Perina às 11h16
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

 

Está  faltando

Aquele algo mais...

Um romance inspirador

Que dá vontade na gente

De falar poesia

De fazer amor



Escrito por Flávio Perina às 22h39
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

Ave, Césio

Tirando vidas

Ave, Césio

Irresponsáveis

Ave, Césio

Impunidade

Ave, Césio

Figura da morte

Melhor seria:

Ave, a rosa

Ave, a vida

Ave, amor

Pássaro da paz

Da criança, do feto, do afeto

Da flor...

 

(Uma homenagem aos mortos pela irresponsabilidade dos homens que abandonaram uma cápsula de césio 157 em Goiânia, em 1987 e até hoje continuam impunes)



Escrito por Flávio Perina às 09h45
[] [envie esta mensagem] [ ]



Viola doida

Dedilha e vibra

Nas cordas de um varal

Nas patas de meu cavalo

Galopando em meu quintal

 

Cavalo doido

Na ventania

Viola voa

Vendaval

 

Toca o sino

Sinuoso, bêbado

Badalando a catedral

Sola a corda,

Rasga a viola

Violeiro sideral

 

Solta o verbo

Soa a rima

Viola a corda

Carnaval



Escrito por Flávio Perina às 16h08
[] [envie esta mensagem] [ ]



Pequeno

o mundo

Pequena

a mente

Pequena

a vida

Pequeno

o coração

Pequeno

o universo

Pequeno

o amor

Pequena

a paz

Pequeno

o poeta

Pequena

a poesia

Pequeno

é a gente

Vivendo feliz



Escrito por Flávio Perina às 15h51
[] [envie esta mensagem] [ ]



Se fosse perguntar

Quem é mulherão?

Gostosa, charmosa?

Talvez, ouvisse:

É a outra: modelo, atriz...

Até mesmo, aquela meretriz...

Por inveja ou raiva

Mulheres passam pela vida,

Esquecendo da beleza interna,

Com fé e coragem

Quando assumem o leme,

Nada temem,

Enfrentam a fome, o vício,

Como se fosse normal,

Trazem dentro de sí, um poder sobrenatural

Vejo sempre, mulheres maravilhosas,

Em que as pernas não estão lisas,

Trazem marcas de uma batalhadora,

Por que acham que não são belas?

Apesar das marcas, das varizes,

Seu amor é belo

E onde abunda, triunfa,

Acima do que a moda prega

As marcas mostram que a forma física

Não é o principal

Celulites e estrias,

Nos mostram um mapa,

Que nos leva a entender

Que ser mulher, é ser natural...



Escrito por Flávio Perina às 01h34
[] [envie esta mensagem] [ ]



Como se fosse mar, revolto

Como se fosse bar, renovo

Como se fosse par, recheio

Como se fosse imaginar, recreio

Como se fosse parar, receio

Como se fosse beijar, retenho

Como se fosse amar, requebro

Como se fosse calar, remorso

Como se fosse falar, removo

Como se fosse cantar, renasço

Como se fosse você, retida

Como se fosse partir,

                        despedida...



Escrito por Flávio Perina às 19h54
[] [envie esta mensagem] [ ]



Nasce um novo ano...

  Nasce uma nova esperança...

    Esperança de que as alegrias do Natal

     Possam refletir no ano que se inicia

      As luzes de acertos e realizações

        De todos os desejos e sonhos.

         Sonhos muitas vezes difíceis, porém,

           Realizáveis quando depositamos fé na vida...

 

 

                    Flávio Perina – Blog “Poetando...”

Escrito por Flávio Perina às 12h56
[] [envie esta mensagem] [ ]



A noite começa a cair

O manto escuro

Envolve a tudo e a todos

A orquestra da natureza

Entoa os primeiro acordes,

Que se misturam com minhas lembranças.

Entristeço e começo a chorar...

Porém, ao longe, vejo

A primeira estrela brilhar no céu escuro.

Uma ponta de felicidade surge em meu peito.

Logo após, a lua aparece.

Meus lábios se abrem num sorriso.

O sono começa a cair, como a noite

Adormeço... Em paz...

Esperando o raiar de um novo dia.



Escrito por Flávio Perina às 16h02
[] [envie esta mensagem] [ ]



Eu não nasci para ter,

Nasci para ser...

Um ser quase racional,

Um ser quase feliz,

Um ser que quer ser,

Que não quer poder ter.

O poder, consome o ser,

O ser se consome por poder...

Poder ser. Ser, por poder

Poder ser feliz...

Feliz, por poder ser



Escrito por Flávio Perina às 14h14
[] [envie esta mensagem] [ ]



Deixe-me ver um pouco de ti

Conhecer os caminhos do coração

Deixar-te nua,

Descobrir teus segredos

Ver onde chega o sentimento...

 

Buscar dentro de ti

Tudo aquilo que tens para dar

Deixar à mostra teus anseios

Buscar em teus seios

O amor que sentes e queres..

 

Desnudar teu ventre

Descobrir de repente

Que queres muito mais

Amar-te devagar

Buscar o prazer

Sem saber se vamos parar...

Escrito por Flávio Perina às 02h23
[] [envie esta mensagem] [ ]



Embriagar me atrai,

 

De poesia, de vinho, palavras

 

Pelo brilho de seus olhos, por um segredo...

 

Simplesmente, pelo prazer...

 

Embriagar me atrai...

 

Poeticamente...

 

Sem rimas...

 

Sem verso...

 

Simples!?!

 

       Sono profundo...



Escrito por Flávio Perina às 00h02
[] [envie esta mensagem] [ ]



 

Enquanto houver uma gota de amor

No coração surrado

Tenho a certeza da felicidade.

Enquanto houver uma gota de sangue,

Correndo nas artérias

Tenho a certeza da vida.

Enquanto houver uma gota de idéias,

Correndo na mente

Tenho uma centelha viva.

Enquanto houver um amigo

Na goteira do mundo

Tenho a certeza de estar vivo.



Escrito por Flávio Perina às 08h47
[] [envie esta mensagem] [ ]



Talvez na Aleluia eu, beba um pouco

Para acabar com o desgosto

Que restou do carnaval...

 

Talvez na Aleluia, eu vá para a rua

Para esquecer o amor

Que em cinzas se tornou...

 

Talvez na Aleluia, eu faça festa

Para todas aquelas

Que desejam renascer...

 

Talvez na Aleluia, eu ressurja das cinzas

Em um sol de domingo

Para nunca mais morrer...

Escrito por Flávio Perina às 00h21
[] [envie esta mensagem] [ ]



Você me esperando,

    Seu beijo rosa

   Sua saliva gostosa

   Seu jeitinho de amar...

             

   Que mude a cor do batom

   Seu beijo, outro tom

   A mesma forma de amar

 

   Sua boca, multicores

   Sua língua mil sabores

   Uma louca vontade de amar

Escrito por Flávio Perina às 13h03
[] [envie esta mensagem] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]